FESTIVAL ÓLÓJÓ

 

A revista Mistérios de Órunmilá conversa com o Babalawo Sandro Fatorerá, que recebeu o convite do Ooni Ile Ifé para participar do festival Ólójó e nos conta um pouco dessa incrível experiência de uma cerimônia de tradição e de muito axé.

 

O Ooni Ilê Ifé caminha com a coroa nesse dia e saúda todos os Orixás pelo percurso

O Festival Ólójó acontece na cidade de Ilê Ifé e é um evento milenar que remete à ancestralidade de Oduduwa, o grande guerreiro, patriarca do povo, quando ele ainda caminhava no Aiye (Terra, em yorubá). Hoje, o atual Ooni Ilê Ifé Oba Deyeye Enitan Babatundé Ógúnwúsi Ojaja IIé é um homem jovem de 45 anos, porém de grande sabedoria e que herdou a coroa do seu pai. Durante o Ólójó, o Ooni Ilê Ifé (rei e descendente de Oduduwa) faz um “retiro”, onde se recolhe por 7 dias para se preparar espiritualmente durante o período do Ólójó para poder sustentar em público uma coroa chamada ADE AARE, que é considerada muito “pesada”, que demanda um verdadeiro esforço físico e espiritual, pois usa-la é um sacrifício que somente um rei pode executar. Essa coroa, além do grande “peso”, traz em si o poder ancestral do povo Yorubá.

“A coroa sagrada de Oduduwa é mantida em um quarto separado no palácio, fechado para visitantes ou serviçais, guardada pelo sacerdote principal. Sacrifícios a Olodumarê são oferecidos regularmente, como requer a tradição”

 

A multidão acompanha a procissão até o retorno para o palácio

Após o recolhimento, o Ooni Ilê Ifé, já preparado espiritualmente, sai em procissão com sua corte usando a coroa ADE AARE para que todo o povo possa contemplar, pedir por bençãos e seguir em procissão passando pelas “casas” de vários Orixás como Ogun, Morimi, Ajê, entre outros. Durante todo o percurso, o rei abençoa todo seu povo e as pessoas se aproximam do rei e fazem súplicas para melhorarem de vida, que é o momento em que todos pedem para serem abençoados. O rei, no meio da multidão, sempre está acompanhado por homens vestidos de branco e também por homens que carregam em suas mãos o Atori (galhos com espinhos) e que fazem a segurança espiritual do rei, além de serem homens preparados para qualquer combate, tanto físico quanto espiritual durante a procissão. Ao término da procissão, o rei não consegue tanta desenvoltura no seu caminhar, pois é um grande esforço carregar o ADE AARE, que somente ele consegue por ser o descendente direto de Oduduwa e se fortalecer para o cumprimento milenar dessa tradição.

“No primeiro dia, o Oni Ilê Ifé vai para casa do Imole (local da presença de muitas divindades), depois se recolhe e só reaparece para a procissão “

 

Arquibancada e palco com atrações

É comum durante essa preparação do rei, que desse seu recolhimento ocorram fenômenos naturais, como nesse ano de 2019 em que pude ser testemunha ao presenciar um Arco Íris de forma circular (halo solar) e mais de 200 aves voando em círculo, sobrevoando acima do local onde foi feito o recolhimento do rei.

“O ADE AARE pela tradição oral de Ifá, se diz que ela é extremamente “pesada” e que somente o Ooni é preparado para usá-la no Ólójó e não em outra ocasião. Historicamente é conhecida a relação entre a coroa e o desvendador do ferro: Ogum, devido os componentes de ferro que formam a coroa e que precisa ser apresentada a Ogum no Ase Oke Mogun, durante a celebração anual do Ólójó “

 

Presença ooni ife no palácio após a procissão

A tradição, a devoção e a espiritualidade se fortalecem e nos fortalecem em Ilê Ifé. É a ancestralidade milenar em sua renovação.

 

“O ADE AARE é um legado tradicional passado de um Ooni para o outro. Uma herança do progenitor do povo Yorubá: Oduduwa”

 

Festival Ólójó na Nigéria | Afoxé Ómó Ifá
VÍDEO DISPONÍVEL NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE “afoxé ómó ifá

 

Colaborador: EQUIPE REVISTA MISTÉRIOS DE ÓRUNMILÁ

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *